Como escolher um plano de saúde?

Ao iniciar seu planejamento pessoal um dos primeiros tópicos a pensar são as necessidades básicas, onde com certeza o tópico saúde estará, afinal, ele garante que você será capaz de executar as tarefas necessárias para manter os demais tópicos de sua vida, além de garantir o bem estar daqueles que ama em casos de planejamento familiar.

Com a precarização de serviços públicos e sua superlotação devido a crise em que o país e o mundo se encontram você provavelmente já cogitou contratar um plano de saúde privado, mas pensou não ter condições de encaixá-lo em seus gastos mensais devido ao preço e altas taxas.

Aqui te ajudaremos a encaixar esse custo no planejamento familiar e garantir a segurança que deseja nesse pilar importante do planejamento financeiro e pessoal.

Quais cuidados ter ao contratar

Antes de entrar diretamente na parte financeira lembre de alguns cuidados necessários para não ter problemas futuros ao utilizar seu plano:

É importante verificar se a operadora que o fornece tem registro na ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) e se está sob direção fiscal ou técnica, e isso indica que ela possui problemas administrativos ou financeiros (essa verificação pode ser feita no site www.ans.gov.br).

Exija uma lista atualizada dos prestadores credenciados, sendo esses médicos, hospitais e laboratórios, pois esta é uma informação que deve fazer parte do contrato.

Lembre-se que informações e promessas do corretor também devem ser incluídas como parte das obrigações da operadora já que ele a representa, ou seja, peça para que sejam incluídas no contrato caso não estejam.

Quanto a escolha, considere a cobertura assistencial, que consiste nos benefícios oferecidos, tipo de abrangência que pode ser regional, municipal, estadual ou internacional e rede credenciada onde constam hospitais, laboratórios e consultórios disponíveis dentro do plano de sua escolha.

Entrando na parte financeira, os preços iniciais de um plano de saúde podem ser fixados livremente pelo mercado, portanto procure avaliá-los de acordo com seus ganhos e necessidades.

Leve em conta os preços e reajustes, passíveis de acontecer por alguns motivos como faixa etária por exemplo, necessidades e características de sua família para assim poder entender se precisa de um plano com mais ou menos serviços, evitando gastos desnecessários.

Formas de incluí-lo como uma boa ferramenta em seu planejamento financeiro

Agora, como isso pode se transformar em uma ferramenta positiva dentro de seu planejamento financeiro?

Pense, caso haja uma emergência médica e você não consiga a assistência necessária gratuitamente, irá por necessidade gastar mais do que gastaria dentro do plano devido as despesas serem cobradas de forma individual.

O plano, além de fornecer um pagamento abrangente e com certos descontos dará a você o conforto da assistência necessária em emergências.

Entretanto, você deve entender que caso não necessite contratar um plano com cobertura completa a todo tipo de eventualidade médica existem outros meios, que podem adequar-se a sua situação financeira como por exemplos planos específicos para uma categoria.

Um bem conhecido é o odontológico, onde por uma mensalidade menor que a do plano completo você poderá obter o serviço, solucionar seu problema e não gastar por aquilo que não usará.

Portanto, lembre que a contratação de um plano de saúde deve ser feita de acordo com as necessidades específicas de sua realidade, para evitar gastos emergenciais mais altos do que o necessário e fornecer conforto e segurança para você e sua família.

Ao invés de enxergar isso como um luxo enxergue como prevenção e contenção de gastos, o que trará benefícios importantes a sua saúde tanto física quanto financeira.

Receba nossas atualizações, participe do nosso Canal no Telegram

Gostou?

Curte, comente e compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para cima