Como comprei um patinete na Alemanhã?

Vamos apresentar um caso de sucesso e um grande exemplo de que educação financeira pode e deve começar desde cedo em nossa vida.

Durante todo o meu tempo, mesmo quando atuava como engenheira, já estudava finanças pessoais, e ensinava a minha filha a importância do dinheiro e como cuidar dele. Quando fomos para a Alemanha, intensifiquei os estudos sobre este assunto e junto com ela, criamos o hábito de toda sexta-feira, no início da noite, vermos filmes com essa temática; mas fazíamos isso de uma maneira descontraída. Quando eu saía da universidade, já passava no supermercado e comprava batata chips, biscoitos e sucos.

Nessa estratégia, eu juntava duas coisas: compartilhava momentos com a minha filha sem gastar muito, aliado à educação financeira. Esse ensinamento eu aprendi no livro “Casais inteligentes enriquecem juntos” – do mestre em finanças, Gustavo Cerbasi; onde ele usou várias estratégias para juntar dinheiro para o seu casamento.  Logo, eu usei essa metodologia para que aprendêssemos sobre educação financeira juntas de uma forma descontraída, saborosa, agradável e economizando.

Afinal, o nosso objetivo sempre foi juntar dinheiro para viajar – já que estávamos na Europa. Como tornamos isso um hábito, em uma viagem para Hamburgo, Alemanha,  para visitar uma amiga, ela me presentou com o livro Mentes Milionárias. Foi nesse momento que alguns ensinamentos do meu pai começaram a fazer sentido: aprendemos a pensar de forma diferente, a entender que éramos merecedoras de uma vida abundante, e que gastar os valores pequenos como moedas, era uma forma de diminuir a chance de gastar mais dinheiro – pois eu não trocaria uma nota de 50 euros, para comprar pão que custava 0,59 centavos de euro.  Deveria pegar as minhas moedas e sempre pagar esses valores pequenos com elas; para que as notas grandes não fossem trocadas e depois como um passe de mágica, gastasse o dinheiro sem perceber.

Minha filha começou a modelar o meu comportamento e decidiu adquirir um patinete para ir para a escola. Como forma de incentivá-la para a compra do patinete, comecei a dar a ela o dinheiro do pfand – traduzindo, é a troca da garrafa recicláveis por centavos. Mas essa história será minha filha quem contará. Desse modo, trago o texto escrito por ela, explicando como fez:

“Fala galera!

Meu nome é Brenda Pegado, tenho 16 anos e sou filha de uma planejadora financeira. Aos 8 anos, comprei meu primeiro patinete juntando garrafa pet! Ai você me pergunta: “como assim, garrafa pet?” – calma, vou explicar! Fui morar na Alemanha com a minha mãe, que na época era bolsista.

Morávamos em um prédio de universitários que ficava a uns 20 minutos da minha escola. Eu via todos os meus colegas indo e voltando com suas bicicletas e patinetes, e o meu sonho era ter um patinete. Eu falei com a minha mãe, e ela disse: você quer ter um patinete? Junte dinheiro para comprar. E para me ajudar, ela deixou eu ficar com as garrafas de água que comprávamos no supermercado.

 

Para quem não sabe, na Alemanha quando a gente compra um suco, cerveja, água, etc…, após consumir o produto, você troca o frasco vazio no supermercado e eles te devolvem o dinheiro da “garrafa”;  você só paga pelo o que  está consumindo, ou seja, o produto. Na época, a garrafa de plástico valia €$ 0,25 centavos e a de vidro €$ 0,15 centavos, as latinhas também tinham o seu valor.

No começo, eu fiquei com vergonha de trocar a garrafa por dinheiro, pois sempre a gente pegava mais água com as garrafas vazias. A troca pelo dinheiro ficava em máquinas dentro dos supermercado e você pegava o dinheiro com a atendente do caixa. 

  • E lá fui eu pedir o dinheiro para moça do caixa. Recebi €$ 0,25 pela primeira garrafa e comecei a perceber que as de suco também eram aceitas para troca. Isso, começou a aumentar o dinheiro que ganhava com as trocas. E por incrível que pareça, ainda tinha gente que jogava fora essas garrafas. E foi ai que tudo mudou!!! Logo no começo, me sentia envergonhada de pegar as garrafas. Às vezes, eu via um monte de garrafas por onde passava, só que a vergonha falava mais alto!!! Até que um dia falei: “DANE-SE”. Depois disso, eu já estava SUPERANDOos catadores de latinhas da praia.

O patinete que eu queria comprar, na época custava 39,00 € (Euros) e com as garrafas consegui tirar em 3 meses, em média, 25,00 €. Dali, em pouco tempo, com mais garrafas e com muita persistência comprei meu patinete à vista.  Até hoje me lembro: era de cor verde e preto e para aonde eu ia, o levava junto.

Essa foi uma das primeiras conquistas, quando criança.”

Por Brenda Pegado, 16 anos, estudante do ensino médio, filha de Rosielle Pegado.

Receba nossas atualizações, participe do nosso Canal no Telegram

Gostou?

Curta, comente e compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para cima